Rio: aquele abraço

Nossa ausência do Rio de Janeiro foi percebida por aqueles que acompanham o underground local nos últimos anos. A mudança foi realmente drástica: de cidade em que mais produzimos shows, até mais que São Paulo, para um lugar que visitamos poucas vezes no ano. O motivo é simples: é um mau negócio realizar eventos de pequeno e médio porte no Rio. Antes de entrarmos neste assunto, algumas ponderações são importantes. Estamos tratando especificamente do nosso ramo, ou seja, shows para até duas mil pessoas, normalmente dentro de algum sub-estilo do metal ou do progressivo – nossa análise exclui eventos em arenas ou estádios. O segundo ponto é que existe um preconceito, ou uma distorção da realidade, que resulta na ideia de que o Rio de Janeiro não tem público para rock comparado a outras praças como Porto Alegre ou Curitiba. É uma grande balela. Como segunda maior cidade do Brasil, o resultado mais comum das turnês é o Rio ter a segunda maior bilheteria. Nada mais natural. Vale ressaltar também que a crise econômica foi mais severa lá do que em outros estados, com atrasos de salários de servidores públicos, desemprego e clima generalizado de insegurança, o que certamente afeta a venda de ingressos. No Rio não falta público, faltam casas. O contraditório é que temos ótimas opções na cidade, incluindo algumas das melhores para shows deste porte no país, como Circo Voador e Imperator. Porém, na maioria delas, a equação dificilmente favorece o produtor. O Circo Voador é, provavelmente, a nossa casa favorita em todo o Brasil. Os shows lá tendem a ser memoráveis, com uma aura que...

A maior vítima do câmbio

O impacto do câmbio no showbusiness é óbvio: cachês, vistos, voos… Diversos dos principais gastos de uma turnê são em moeda estrangeira (normalmente dólar ou euro). Todos os níveis de eventos são impactados, do show de estádio ao show mais underground imaginável. Porém, nem todos os tipos de evento têm os mesmos mecanismos para combater a crise cambial. Os shows de grande porte têm muitas formas de se manter competitivos. A flexibilidade vem, principalmente, de dois lados: – Existe uma gordura para queimar. Um artista que cobra cachê de 100 mil dólares pode fechar um show por 70 ou 80 mil. Pode se viajar com uma produção mais enxuta. Existe onde cortar custos. Cabe aos produtores não entrarem em leilões que inflam os cachês e custos de produção. O próprio real desvalorizado diminui o número de produtoras interessadas em arriscar. Isso naturalmente vai diminuir a demanda por shows internacionais, minimizando o impacto dos leilões. Nos níveis mais altos do showbusiness existem menos players, menos produtoras com cacife para trazer os artistas do primeiro escalão. – Nos eventos em grandes casas, arenas ou estádios existe uma maior tolerância com os altos preços dos ingressos. As produtoras conseguem diminuir o impacto do dólar mais caro subindo o preço dos ingressos. Eventos de pequeno porte não têm estes mecanismos. O underground funciona sem nenhuma gordura para queimar: os cachês são baixos, as produções não têm luxo, as equipes são mínimas (de vez em quando artistas viajam sem equipe nenhuma!). Quem mais sofre com o dólar a 3,50 é o underground. Imagine aquele show típico de Hangar 110, Clash Club ou Manifesto. Sabe aquele...